Breve Análise dos resultados das Eleições 2020

Os resultados das eleições de 2020, apresentaram números interessantes e significativos. O vereador mais votado do país é Eduardo Suplicy do PT de São Paulo com 167.552 votos. O mais jovem é Carmelo Neto, de 19 anos, militante do Partido Republicano de Fortaleza no CE, eleito com 8.527 votos. Foram eleitos também três prefeitos com 21 anos de idade: Fernando Cavalcante do MDB de Alagoas com 54,52% dos votos, Paulo Henrique do PP do RN com 51,01% dos votos e Ricardo Maia do PSD da Bahia com 49,27% dos votos.

Outro resultado relevante dessas eleições, foi a representatividade do sexo feminino que alcançou o índice de 33,6% dos eleitos, demonstrando mais uma vez a participação cada vez maior da mulher inclusive na vida pública brasileira. Ao todo treze candidatos trans foram eleitos no país, destacando-se entre esses Duda Salabert do PDT de Belo horizonte e Linda Brasil do PSOL de Aracaju – SE. 

Em São Paulo foi eleita Erika Hilton do PSOL com 50.417 votos, primeira transexual negra eleita como vereadora da maior cidade do Brasil. No Rio de Janeiro elegeu-se a vereadora Mônica Benicio, viúva da vereadora Marielle Franco, negra e lésbica assassinada brutalmente em março de 2018. Um fator que contribuiu significativamente pela participação dos trans nesse pleito, foi a liberação para se apresentar com seus nomes sociais, substituindo aqueles que constam no registro de nascimento.

O pleito ocorreu normalmente, excetuando-se o atraso na divulgação dos resultados da apuração, informados algumas horas depois, em função de problemas de software no sistema nacional de apuração. Dois fatores devem ser considerados nesta eleição: a vontade do eleitor de eleger novos candidatos para vereadores e prefeitos e o alto índice de rejeição apontado nas urnas após a divulgação dos resultados, uma vez que, um grande número de candidatos se surpreendeu com a votação obtida muito inferior à esperada.

Com relação aos partidos políticos, a corda balançou para todos considerando o pleito anterior de 2016. Alguns ganharam municípios, outros perderam. É o caso do DEM, AVANTE é PP por exemplo, que aumentaram de 266, 12 e 495 para 459, 80 e 682 respectivamente. Outros perderam municípios, como por exemplo o MDB, PSDB e PSB que os reduziram de 1.035, 785 e 682 para 774, 512 e 495 respectivamente.  

Geraldo Ferreira da Paixão

Engenheiro e professor

E-mail: geraldoferreiradapaixao@gmail.com